Bienal do Livro de São Paulo

Um trio (mãe e dois filhos) explorando a Bienal do Livro de São Paulo!

Hoje encaramos a Bienal Internacional do Livro de São Paulo. Mochila nas costas com água e bolachinhas (quem tem criança pequena sabe do que estou falando; eles sentem fome nas horas mais inesperadas), tênis confortável nos pés e lá vamos nós três, mãe e filhos, para mais essa aventura. Aventura mesmo! Que começou pelo transporte. Optamos por metrô (eles amam!) e ônibus gratuito oferecido pela própria Bienal. Ponto positivo nesse quesito! Pegamos o ônibus ao lado da estação de metrô Tietê, havia sim uma fila considerável de pessoas, mas são vários veículos, um atrás do outro e, com isso, o fluxo de pessoas gira rapidinho. Funcionou super bem. Confortavelmente, em menos de 10 minutos dentro do ônibus, já estávamos na frente do Anhembi. Aliás, esse ponto positivo faz um contraponto com um negativo, na minha opinião. O valor do estacionamento da bienal é um escândalo: R$ 40,00! Precisa ter coragem ou muita necessidade para encará-lo.

A entrada estava tranquila, mas acredito que o horário também ajudou, chegamos por volta das 10h de uma terça-feira, então não era de se esperar muito tumulto por ali. O valor do ingresso também é muito acessível (R$ 12,00) e é oferecida meia entrada para algumas situações como estudantes e comerciários com carteirinha do Sesc, por exemplo. Criança até 12 anos não paga, o que é mais bacana ainda, afinal o objetivo é (ou deveria ser) o incentivo à leitura, certo?. A surpresa veio quando pisamos dentro do pavilhão. Tinha sim, muita gente já lá dentro! Muitas excursões de escolas, crianças uniformizadas andando em filas com seus professores. Um ou outro estande mais cheio, mas nada que atrapalhasse a visita. Outro ponto positivo! Delicioso ver tanta criança e adolescente “mergulhados” no universo literário. Lindo de se ver! Energia boa no ar!
Anda daqui, espia dali, e assim fomos “gastando sola de sapato” pelos corredores da bienal. Algumas coisas bacanas, outras nem tanto. Quando os meninos viam algo que chamava suas atenções, pediam pra entrar, mexer, comprar. Se eu tinha alguma dúvida da popularidade da porquinha Peppa, não tenho mais. Fiquei impressionada com a quantidade de estandes de livrarias e editoras com livrinhos da personagem e sua família. A maioria deles, confesso, bem bobinhos. São livrinhos de atividades, alguns livrinhos de estórias mais divertidos, mas era Peppa pra todo todo. O grande fã da porquinha aqui de casa, não deixava uma sequer passar despercebida… rs
A surpresa boa da vez veio de um estande pequeno, super despretensioso, mas com uma autora muito simpática, que nos chamou para conhecer seu livro. Sim. Ela mesma nos “laçou” no corredor e, com um jeito muito gostoso nos contou um pouco do enredo da história do seu livro infantil “Lili, a estrela do mar”. Os meninos, depois confessaram que ficaram felizes por conhecer uma autora de pertinho e por trazer pra casa um livro autografado por ela. O que me deixou feliz também, afinal é sinal que eles valorizam os autores. Que legal!  Ponto pra simpatia da Katia Machado Pino, autora do livro, que será nossa próxima leitura em família!

As atividades que alguns estandes reservam pra molecada também agradou os meninos. Nesse aí da foto ao lado, eles faziam desenhos livres em folhas de papel camurça e suas imagens eram exibidas numa tela de TV. Em outro estande, puderam entrar numa biblioteca móvel montada dentro de um caminhãozinho. Criatividade, diversão, descoberta e lazer reunidos num só lugar. Ponto pra diversão!

Mas não parou por aí.
Uma unidade móvel de nanotecnologia chamou a atenção do Rafa! E nem a fila de pessoas para entrar no veículo fez meu pequeno desistir de conhecer aquele “caminhãozinho” por dentro. E lá vamos nós aprender um pouco mais sobre ciência! E, para quem achava que eles não entenderiam nada, a surpresa: os dois se divertiram com as explicações e em poder circular pela unidade móvel, que reunia microscópios e produtos onde a nanotecnologia foi usada. Ponto para diversão e por apresentar novos conhecimentos de uma forma didática e divertida.

No final, com a mochila um pouco mais pesada, trazendo alguns livrinhos escolhidos na Bienal, voltamos pra casa. Mas não antes de passar pelo pipoqueiro e comprar “aquela” pipoca doce, que eles sentem o cheiro de longe…

Cansados? Sim, estamos os três bemmm cansados, mas valeu o passeio. Em 2016, tem mais!

Fonte: http://adrianaramos-adri.blogspot.com/2014/08/um-trio-mae-e-dois-filhos-explorando.html

SOBRE LEITURA E LITERATURA

01/08/2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *